Tempo Desconjuntado

A ficção do autor Philip K Dick é baseada no “e se …?” para criar tramas envolventes e questionadoras para a sociedade e ciência. Distopias atemporais.

E se Alemanha e Japão venceram a segunda guerra? (O Homem do Castelo Alto)

E se a policia for capaz de ver o futuro e prevenir crimes? (Minority Report)

E se replicantes/androides tiverem memórias e sonharem?  (Blade Runner)

Se numa pacata cidade americana em 1959, o rádio fosse um objeto estranho e Marilyn Monroe uma atriz desconhecida, isso seria uma realidade alternativa?

Nesse mundo vive Ragle Gumm, uma celebridade por sempre acertar a resposta para um concurso diário no jornal local, que mora com a irmã e flerta com a vizinha. Cotidiano alterado por objetos e lugares que parecem sumir, pedaços de papel que aparecem como enigmas e situações estranhas perante conhecidos.

Gatilhos para uma jornada de autodescoberta questionadora da natureza oriunda de suas alucinações paranoicas e o porque do seu tempo parecer desconjuntado.

O Tempo Desconjuntado - Philip K Dick (Suma de Letras, 2018)

O livro nos mostra uma sociedade americana típica dos anos cinquenta pelos olhos de um protagonista em crise de idade, família, atividade e identidade. A pressão interna por mudança e externa do jornal pelas respostas criam nele um sentimento de vigilância permanente. Refletida na convivência com família, “chefe” e vizinhos.

Difícil não lembrar dos filmes Show de Truman ou Matrix ao avançarmos na leitura e adentrarmos na paranoia do que é sonho ou realidade de Ragle. A fuga como solução e laços de confiança são temáticas comuns em distopias, porém a narrativa de K Dick não nos entrega nada de badeja e nos convida a duvidar de tudo e todos.

“Quando ele voltou a abrir os olhos por completo, todas as pessoas estavam ali de volta, balançando as cabeças. As mulheres com as compras. Os funcionários. Os estudantes. O barulho, os cheiros, as conversas. Tudo tinha voltado ao normal. Nada está funcionando direito. Com medo, ele pensou: e se eu também tivesse deixado de existir? Era isso que Ragle tinha visto?”

Recheado de referências culturais da época e críticas ao padrão de vida e politica americana como pano de fundo da trama, esse livro é uma agradável entrada no universo do autor para aqueles que só conhecem as suas adaptações audiovisuais.

Um thriller onde estranhamos as aparências e escolhas dos personagens a cada página, viajamos pelos capítulos tentando conjecturar o tempo desconjuntado.

O Tempo Desconjuntado (Philip K. Dick)

Editora: Suma de Letras

Número de páginas: 272

Encadernação: capa dura

Formato: 15 x 22 cm

Tradução: Bráulio Tavares

Edição: 2018

Leia um trecho do livro

Compre o livro

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s