Tudo Que é Belo

Numa noite de apagão elétrico recente no Nordeste, deitei na rede estendida na varanda, peguei o leitor digital e abri o livro TUDO QUE É BELO.  Publicado pela Editora Todavia que reuniu 45 histórias reais narradas no palco do The Moth.

The Moth (A Mariposa) é uma organização sem fins lucrativos dedicada à arte de contar histórias. Criada em 1997 por amigos que se reuniam nas varandas do interior dos Estados Unidos, onde mariposas são atraídas pela luz.

A iniciativa tornou-se um fenômeno internacional com mais de 20 mil relatos de famosos ou desconhecidos em eventos pelo mundo. Narrativas transformadas em podcast e agora transcritas em livro celebrando o 20º aniversário do programa.

TUDO QUE É BELO - TODAVIA LIVROS

Em sessões temáticas, pessoas sobem no palco e contam suas experiências de vida compartilhando dores, alegrias, conquistas, fracassos e memórias.

A jovem que cortava o cabelo da Sra. Jones, que sempre falava de seu filho músico, e mudou de vida ao virar cabeleireira e membro da equipe de um tal David Bowie.

O garoto que roubou o avô para comprar um tênis da moda e perdeu sua confiança, mas trabalhou para devolver o valor e recuperar a admiração antes do avô morrer.

A escritora sul-coreana que viveu clandestinamente como professora na Coréia do Norte investigando comportamento, limitações e auto-mentiras dos jovens.

The Moth - Palco

A pior semana na vida da Dra. Mary King com abandono de marido, filha pequena, mãe doente e assalto em casa. Tudo as vésperas de viagem para obter subvenção ao trabalho que culminou na comprovação que o câncer de mama é hereditário.

O rapper que encontrou Laurence Fishburne duas vezes. Primeiro, o ator estrelava o clipe do seu grupo. Depois, o rapper era o segurança em uma pré-estréia.

Pequenas e íntimas ou grandes e compartilhadas, as histórias ganham valor ao ser conhecidas pelos outros e registradas para que lembremos o que é ser humano.

Numa noite estrelada, essa leitura me fez lembrar das férias em família e amigos. Onde não chegava Internet e a roda de histórias, assustadoras ou engraçadas ou mentirosas, era o entretenimento noturno ao lado de mariposas e morcegos.

“O Moth nos conecta como seres humanos. Porque todos temos histórias. Ou talvez porque já somos, na condição de humanos, uma colagem de histórias.” 


Leia o prefácio por Neil Gaiman que conta como conheceu e entrou no The Moth.

Anúncios

Deixe uma resposta