Web das Coisas (WoT)

web-of-things-650x298

A Internet das coisas (IoT) é conceituada como uma rede de objetos inteligentes interligados, interativos e com interfaces acessíveis. Porém segundo a Conferência W3C Web.br, hoje essa rede é essencialmente uma coleção de Intranets isoladas de objetos que realmente não podem interagir uns com os outros.

Isso acontece, pois não há um protocolo de aplicação único e universal que possa trabalhar nas diversas interfaces de redes disponíveis.

Para a Internet das Coisas se tornar uma realidade, é necessário que um único protocolo de camada de aplicação universal (“linguagem”) para que dispositivos e aplicações conversem uns com os outros, independentemente de como eles estão fisicamente conectados.” (W3C Web.br, 2016)

Nesse contexto, a Web das Coisas (WoT) propõe a reutilização de protocolos e padrões Web, amplamente adotados e compreendidos, com objetivo de tornar os dados e serviços mais acessíveis aos desenvolvedores de “objetos inteligentes”.

Segundo Raggett, precisamos de padrões abertos para contrapor a ausência de interoperabilidade entre as plataformas. Pois eles reduzirão custos no desenvolvimento aumentando a diversidade de aplicações para a IoT. Assim, objetos e dispositivos embarcados serão incorporados a Web de forma transparente.

Vantagens no uso do protocolo HTTP

A Web das Coisas é obtida através do protocolo HTTP e dos princípios REST na criação de APIs RESTful. Tornando objetos inteligentes em recursos Web devido às vantagens:

1) Curva de aprendizagem pequena pelos desenvolvedores visto que HTTP, URI e REST são padrões estabelecidos e muito utilizados na Web tradicional há anos.

2) Os métodos HTTP facilitam a interação entre objetos permitindo que suas funcionalidades sejam expostas em interfaces bem definidas (web services, etc).

3) O uso do HTTP elimina problemas de compatibilidade entre diferentes fabricantes, protocolos e formatos padronizando o processo de desenvolvimento.

4) Possibilidade de compartilhar dados em tempo real dentro do mundo físico através de uma arquitetura orientada a recursos (ROA) identificados com seus endereços (URIs) e requisições de usuários pelos métodos (HEAD, OPTIONS, etc).

5) A versão 2.0 do protocolo é mais eficiente no uso dos recursos de rede e trocas múltiplas simultâneas na mesma conexão, que pode ser criptografada (HTTPS).

O protocolo HTTP é a ponte entre a web física, semântica, social, tempo real e programada (services, html); e seus métodos são a interface para as coisas (WoT).

Referências

Conferência W3C Web.br 2016. Qual a diferença entre Internet das Coisas e Web das Coisas? Disponível em: <http://conferenciaweb.w3c.br/qual-a-diferenca-entre-internet-das-coisas-e-web-das-coisas>. Acessado em: 16 mai. 2017.

RAGGETT, Dave.  O futuro da Internet das Coisas está na padronização de seus protocolos. Entrevista publicada no portal de tecnologias IMasters e disponível em: <http://imasters.com.br/tecnologia/o-futuro-da-internet-das-coisas-esta-na-padronizacao-de-seus-protocolos/>. Acessado em: 16 mai. 2017.

FRANÇA, Tiago C. et al. Web das Coisas: conectando dispositivos físicos ao mundo digital. In: XXIX Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos. Disponível em: <http://www.nce.ufrj.br/labnet/pesquisa/cidadesinteligentes/minicurso-wot-final.pdf>. Acesso em: 16 mai. 2017.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s