The Beatles on Tour

Texto originalmente publicado no blog do Iradex.net e pode ser lido nesse link.

– Para onde estamos indo, companheiros? – Para o topo, Jonhy!” (The Beatles)

A banda mais popular do mundo depois de anos na estrada realizando shows, conquistando multidões e alcançando o topo das paradas com diversas músicas; decide parar de se apresentar ao vivo e se concentrar nos álbuns de estúdio. Porque?

A resposta pode ser vista no documentário The Beatles: Eight Days a Week – The Touring Years, do diretor Ron Howard (Rush; Uma Mente Brilhante; Apollo 13), que relata a trajetória do quarteto britânico desde as “cavernas” de Liverpool e “inferninhos” de Hamburgo até as aparições em programas de auditório e turnês internacionais em estádios lotados.

Anos onde mal conseguiam se ouvir tocando, devido a histeria do público, e ainda tinham uma rotina intensa de divulgação; entrevistas; composição; gravação e filmagens. Era o auge da Beatlemania e o filme retrata bem seus bastidores.

the_beatles_at_shea_stadium_by_dandymankal-d8i6nai

A narrativa do longa é construída através de vídeos e imagens, incrivelmente “restauradas” em alta qualidade, da banda nos palcos. Juntamente com declarações antigas de John e George e novos depoimentos de Paul e Ringo, relembrando histórias e sentimentos.

A transformação interna que passam nas diversas fases da banda, desde o visual até as temáticas das músicas, são contextualizadas com a influência externa que provocaram na sociedade dos conturbados anos 60. Um fenômeno cultural e ao mesmo tempo o retrato de uma geração formada por fãs como Elvis Costello, Whoopi Goldberg e Richard Curtis que relatam sua admiração.

Um ponto destacado é o humor inglês característico nas repostas aos jornalistas, as vezes bem humoradas e outras atravessadas. Mostrando que a influência da banda foi musical  e comportamental para as gerações seguintes (Irmãos Gallagher!?).

Fica visível o cansaço com compromissos e exposição ininterrupta, que faziam Paul e John se trancarem nos banheiros dos hotéis para ter alguma privacidade e até compor. Motivos que ajudaram a abreviar os anos de turnês e aos poucos os tornaram mais reclusos. Ao mesmo tempo que inspiraram diversas canções e os filmes que protagonizaram. Sempre com as presenças do empresário Brian Epstein e do produtor George Martin, que ajudaram a moldar o som e imagem dos Beatles.

Algumas músicas que aparecem na íntegra são de arrepiar pela qualidade de som e imagem, comprovando como todos eram músicos excelentes (incluindo o Ringo).

Resumindo, um documento obrigatório a ser visto pelos seguidores de longa data e uma oportunidade para os novos fãs entenderem a história e amor pela banda.

Porque como Paul McCartney faz questão de nos lembrar nos seus shows: “No final, o amor que você recebe é igual ao amor que você doa.